Tag: linguagem

Curiosidades

O raio dos putos! – Parte I

Apesar de não ser inédito, a massificação e a livre distribuição da informação tem por vezes este efeito perverso de desinformar as pessoas. Uma vez mais, atribui-se a um belo texto uma falsa autoria, não sei se para legitimar a beleza do próprio texto ou se por mera insegurança de quem de facto o escreveu. Em todo o caso, para mim continua a ser a melhor definição que conheço de filho e permitam-me partilhá-la convosco.

«Filho é um ser que nos emprestaram para um curso intensivo de como amar alguém além de nós mesmos, de como mudar os nossos piores defeitos para darmos os melhores exemplos e de aprendermos a ter coragem. Isso mesmo! Ser pai ou mãe é o maior ato de coragem que alguém pode ter, porque é expor-se a todo tipo de dor, principalmente da incerteza de estar a agir corretamente e do medo de perder algo tão amado. Perder? Como? Não é nosso, recordam-se? Foi apenas um empréstimo!»

Muitos jurarão a pés juntos que o autor é Saramago, mas não parece que assim seja e quem duvidar pode tirar as dúvidas aqui.

A famosa frase de Fernando Pessoa no poema Liberdade, «o melhor do mundo são as crianças», creio que diz tudo. São de facto seres temíveis, mas muitas vezes o farol dos adultos. Em todo o caso é preciso atenção, pois quando se manda vir uma nunca se sabe muito bem o que vai calhar em sorte. É uma espécie de lotaria.

Há casos em que a coisa corre especialmente bem e aqui ficam alguns dos prodígios que poderão, quem sabe, mudar o nosso mundo e não apenas o mundo dos seus progenitores.

O primeiro deles é um menino britânico de dois anos. Adam Kirby tem um QI de 141, o que está a apenas quatro pontos de ser considerado génio. Ainda assim encontra-se num seleto grupo de apenas 2% da população mundial e tem um QI 10 pontos mais elevado do que David Cameron e Barack Obama. Tornou-se o mais novo membro da Mensa, uma sociedade formada apenas por pessoas com um elevado QI.

Este miúdo leu o seu primeiro livro com apenas um ano, agora já lê Shakespeare e compreende japonês, espanhol e francês. Consegue soletrar 100 palavras e conhece os seus horários, tendo mesmo memorizado a tabela periódica. Para quê perder tempos a aprender a gatinhar ou a pôr-se de pé?

Adam Kirby

Maximilian Janisch é um jovem prodígio para quem a matemática é uma brincadeira e não é coisas do tipo 2+2, aquilo mete letras, parêntesis e sei lá mais o quê! Com apenas 10 anos este puto suíço concluiu as provas de bacharelato em matemática com a nota máxima e vai frequentar um curso especial na Universidade de Zurique. É isso mesmo, está a caminho da universidade o que até se compreende, pois não dava para esperar até ter a idade conveniente, já que completou o ensino primário em três anos e após quatro anos de escolaridade quis candidatar-se à tal Universidade de Zurique que lhe negou o acesso devido à sua idade e por não ter concluído com sucesso todas as provas do bacharelato. O puto deve ter dito «Ah é só isso? Podiam ter dito logo!» Agora tomem.

O pai de Maximilian, um alemão de 67 anos, é um professor de matemática reformado e a mãe é uma economista de 48. Apesar de terem sido pais tardiamente o seu filho prova que nunca é demasiado tarde para o milagre da vida.

Maximilian não tem muitos amigos, pois não é nada fácil encontrar alguém com quem possa falar sobre Arquimedes! Percebe-se, coitado!

Maximilian Janisch

Vendo bem este era capaz de se dar bem com Xavier Gordon-Brown, outro génio matemático que também já é estudante universitário. Com 12 anos Xavier tem vindo a bater todos os recordes quanto a excelência académica. Aos 10 anos este inglês já tinha decorado perfeitamente os primeiros dois mil dígitos do número infinito Pi.

Só pode usar o telemóvel em situações de emergência e como os pais não o deixam ter Facebook há boas hipóteses de perder este artigo. Pior para ele!

Por agora entretém-se com a estudar estruturas abstratas e a mecânica de Newton, além de outros assuntos de considerável dificuldade.

Xavier Gordon-Brown

Claro que estes dons recaem igualmente sobre meninas e Neha Ramu é a prova disso. Com 12 anos é mais inteligente do que Einstein, pois obteve um resultado de 162 num teste de QI. Estima-se que Einstein tinha um QI de 160.

Esta indiana mudou-se para o Reino Unido com sete anos e os pais, ambos médicos, nunca suspeitaram dos excecionais talentos da filha apesar de ter feito sempre um bom percurso na escola. O seu talento estratosférico só foi descoberto quando num exame de admissão a uma prestigiada escola de raparigas Neha Ramu obteve um resultado perfeito. Dois anos depois realizou um exame na Mensa e obeteve um resultado de 162, o maior valor possível para alguém com menos de 18 anos.

No verão em vez de ir à praia, jogar computador ou pensar em rapazes, Neha Ramu pediu aos pais para passar três semanas num campo académico nos EUA para aprender mais sobre o cérebro e o sistema nervoso. São gostos!

Neha Ramu

A história de Maud Chifamba não deixa de ser tocante. Antes de mais porque passou por várias privações devido à pobreza e à morte dos pais. Ainda assim quebrou recordes académicos e entrou na Universidade do Zimbabué com apenas 14 anos. Parecia condenada a uma vida miserável, mas de facto contra toda a lógica tornou-se a mais jovem estudante de sempre, não só no país, mas também em toda a região sul de África.

Visto ser órfã, estava com os dois irmãos mais velhos, que trabalhavam numa fazenda. Eles não tinham dinheiro para pagar a escola à pequena Maud, mas a jovem estudou completamente sozinha em casa nos anos seguintes, tendo criado uma rotina que lhe permitisse aprender o máximo possível.

O seu comportamento e inteligência impressionaram todos e alguns docentes entraram em contacto com ela com o intuito de a ajudarem a avançar rapidamente, sem com isso receberem apoios financeiros, não estando Maud vinculada a nenhuma escola. Mais tarde, o reitor da Universidade do Zimbabué concedeu à jovem uma bolsa de cerca de 7700 euros.

Realmente é de ficar de boca aberta com tanta perseverança. Assim se engana o destino!

Maud Chifamba

Há ainda a história de um outro jovem que tem de ser lembrada. Os pais de William Kamkwamba, de apenas 14 anos, deixaram de poder suportar a propina anual de 58,5€ (190,18 Reais). Teve então de deixar os estudos, ou melhor teve de deixar de estudar formalmente, porque este jovem na verdade não deixou de estudar. Estudou por conta própria em Masitala, Kasungo, no Malawi, numa biblioteca composta apenas por três estantes. Note-se que isto passou-se no ano de 2002 e a decisão do então jovem William acabou por influenciar de forma muito intensa toda a sua família.

Apesar dos poucos livros disponíveis na biblioteca entre eles estava um manual de instruções básicas sobre utilização de energia. Este livro em particular levou a que William começasse uma série de investigações sobre energia limpa, culminando na construção de um moinho capaz de gerar energia para alimentar as quatro lâmpadas e os dois dos rádios da família. Claro que William não possuía os equipamentos necessários presentes no tal livro, mas isso não foi impedimento de nada. Começou então a recolher sucata na rua, adaptando as peças para realizar um moinho de vento funcional. Isto torna-se ainda mais relevante quando sabemos que no Malawi só 2% da população rural tem eletricidade.

Atualmente William estuda na African Leadership Academy, em Joanesburgo, África do Sul, uma escola que pretende treinar a próxima geração de líderes do continente africano. Vamos esperar e torcer por ele.

William Kamkwambas

Uma coisa é certa: as crianças não deixam de nos surpreender, raio dos putos!

[Continua…]

Curiosidades

Publicidades Banidas

A publicidade tem um poder enorme sobre nós, a tal ponto que nós nem sequer nos apercebemos disso. Há inclusivamente um ramo do marketing que se aliou à medicina para descobrir o que faz despertar o interesse dos cérebros dos consumidores para os levar a consumir mais ainda. É o chamado neuromarketing que espero trazer-vos aqui um dia.

O que me faz falar aqui de publicidade é um conjunto de anúncios aos cada vez mais famosos e-cigarros. O facto de terem o seu quê de geniais não impediu que tivessem 147 queixas dos consumidores ingleses o que levou as autoridades a retirar o anúncio do ar. Adoro falsos purismos!

Há para todos os gostos, uma versão em que uma menina deixa a mensagem acerca do produto com uma voz muito lasciva num ambiente bastante sugestivo…

http://www.youtube.com/watch?v=u1hFtNjBR8k

Quero que o tires, quero vê-lo, senti-lo, segurar nele, metê-lo na boca… Quero ver se sabe mesmo bem.

Há igualmente uma versão em que um cavalheiro muito bem-apessoado apresenta o produto de uma forma que não deixa de ser estimulante…

http://www.youtube.com/watch?v=qWawQaT4GA4

Queres vê-lo? Posso tirá-lo, se quiseres. Podes senti-lo, segurar nele, metê-lo na boca e ver como sabe bem.

Estes senhores ingleses decerto que ainda não ouviram uma boa posta da nossa música pimba e se ouviram não perceberam o lá se diz, pois se percebessem iriam queixar-se em pleno bailarico de Verão do Quim Barreiros, da Rosita e de tantos outros que usam a linguagem e os seus múltiplos sentidos.

Curiosidades

O Sonho Faz Hoje 50 Anos

Faz hoje 50 anos que foi proferido o famoso discurso de Martin Luther King Jr. I have a dream.

Eu tenho um sonho tornou-se numa das frases mais célebres e pertence a um dos grandes discursos da história recente que mudaram o mundo. O curioso é que esta frase não estava sequer prevista no discurso escrito para aquele dia 28 de agosto de 1963. A famosa frase foi acrescentada num momento de puro improviso, talvez devido ao fervor do instante. Os manifestantes dos direitos cívicos reunidos no Lincoln Memorial, em Washington, estavam a participar num momento de viragem histórica.

O discurso completo tem cerca de 17 minutos, mas o excerto abaixo é mais do que suficiente para perceber a importância da ocasião. É momentos destes que mudam o mundo e fazem dele um lugar melhor.

Para explorar um pouco mais esta temática poderão ir até aqui, mas se preferirem apreciar o discurso deixem-se ficar…