Poema de Mário Cesariny dito pelo próprio