Ó Álvaro, e que tal pensar mais um pouco?